Copa e as atrocidades de Trump tiram política, eleições e Lava Jato das manchetes da mídia do País

24/06/2018

Vanilda Oliveira

Reprodução Copa e as atrocidades de Trump tiram política, eleições e Lava Jato das manchetes da mídia do País Jornais, revista se sites priorizaram a Copa e pouco repercutiram notícias políticas, a maioria dela, negativa para a direita
Seguem análise das manteches e destaques dos jornais de maior circulação do País, portais e revistas semanais
 
A chamada grande mídia deixou a Política e o tema eleições em segundo plano neste fim de semana. Com Donald Trump enjaulando crianças separadas dos pais  (51 delas brasileiras), brasileiros assediando e humilhando mulheres russas a insana e cobertura da pressão ofensiva imposta ao jogador Neymar, pouco se falou sobre os fatos políticos que fecharam a semana, os principais deles, a prisão de um secretário do candidato tucano, Geraldo Alckmin, e a manobra do TRF4 e STF para arquivar o pedido da defesa de Lula por prisão domiciliar, além do tombo na Lava Jato dado pela decisão favorável à senadora Gleisi Hoffman.
 
É comercialmetne normal que a mídia tradicional esteja com sua atenção e canhões voltados à Rússia e à Copa, que dá lucro ao ocupar a maior parte do noticiário impresso e eletrônico. A cobertura boleira é refletida nas redes sociais, que só sabem falar do cabelo do Neymar.
 
E isso a menos de dois meses de a campanha eleitoral começar para valer, com o horário eleitoral gratuito. Se um estrangeiro lesse os jornais de maior circulação neste fim de semana dificilmente saberia que o Brasil está em pleno ano eleitoral, vivendo uma das pré-campanhas mais diferentonas e direitosas de sua história, com o líder nas pesquisas preso político, o governo golpista sem candidato e com rejeição recorde, que o candidato, cujo partido está no poder da cidade mais importante do País há duas décadas, estagnou nas pesquisa e está até o pescoço de denúncias e que um deputado homofóbico, sexista, machista, falastrão ocupa o segundo lugar na preferência popular, a léguas de Lula, o líder. 
 
Pouco se falou neste final de semana, quase nada, que a tal polarização eleitoral parece ter implodido e deixado cacos para todos os lados e partidos e somente Lula mantém seu patamar histórico, sendo visto pelos eleitores, segundo diferentes pesquisas, como o político mais preparado para fazer o País sair desse limbo golpista em que vive desde Dilma foi arrancada da Presidência da República. 
 
Noticiaram, mas sem destaque, a fala do ministro Marco Aurélio Garcia, à uma emissora de Portugal, na qual ele afirma que a prisão de Lula é inconstitucional e que a culpa disso é da presidenta do STF, Carmén Lúcia, mereceu espacinho na capa de todos os sites dos conglomerados de comunicação, fosse contra Lula, lógico, seria manchete. 
 
As revistas semanais estão sem rumo. Parecem não querer falar de política porque teriam de atacar seus queridinhos da direita e enaltecer o homem que tanto odeiam e tentaram destruir, Lula. Nada de política em nenhuma das três semanais sempre virulentas.
 
IstoÉ chama atenção pela sua patriotada na capa, faz uma analogia que, de forma velada, compara a situação do Brasil na Copa (reagindo após um momento difícil) à da crise brasileira. A revista apela, é ridícula ao afirmar que “o quadro de desânimo País é o lado mais danoso da ciclotimia que caracteriza os altos e baixos do humor nacional” e, lógico, o golpe não existe, segundo a publicação.
 
A Veja traz uma capa gelada sobre comportamento (memória) e destaca a absolvição de Gleisi Hoffman, numa matéria afirma que a decisão do Supremo “serve de alerta” para a PF que não encontrou uma única prova contra a presidenta do PT  e baseou sua investigação apenas em delações. Lógico que o título da matéria é O Deslize da Lava Jato, e não a inocência de Gleisi.
 
Época, revista do grupo Globo, vem com uma manchete iceberg: Sete anos depois, quem ganhou dinheiro com as tomadas de três pinos? Com uma canetada em 2000, o então presidente do (Inmetro, Armando Mariante Carvalho Junior, obrigou 196 milhões de pessoas a R$ 1,4 bilhão para a troca potencial de tomadas em mais de 60 milhões de residências em todo o Brasil. Carvalho hoje integra o rol de investigados na Operação Lava Jato, investigado por participação em empréstimos fraudulentos ao pecuarista José Carlos Bumlai, o amigo do ex-presidente Lula que foi condenado a quase dez anos de prisão por corrupção e gestão fraudulenta. Lógico tinham que dar um jeito de colocar Lula numa matéria como essa.
 
A Exame traz matéria sobre os seis candidatos Diz que “na prática, segundo a sondagem, os eleitores de Jair Bolsonaro e Álvaro Dias (Podemos) são os mais próximos em seus posicionamentos. Quem vota em Lula, Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) tende a compartilhar de opiniões similares. Os apoiadores de Geraldo Alckmin oscilam a depender do assunto e são os que mais aprovam a Reforma da Previdência.r Vanilda Oliveira
 
Seguem manteches e destaques dos jornais de maior circulação do País, portais e revistas semanais
 
DESTAQUES DOS PRINCIPAIS PORTAIS DE NOTÍCIA – 23h30

Poder360
Desigualdade social ainda é principal barreira à inclusão bancária no Brasil Quase 50 milhões não têm conta

UOL, G1 e O Globo
Eleição no Tocantins tem um terço de abstenção

G1
Há 15 anos no poder Erdogan é eleito presidente da Turquia

O Globo
Letais prisões matam quase quatro por dia

Estadão (bem embaixo)
Ex-jogador Roberto Carlos no fã-clube de Lula - O ex-lateral esquerdo da Seleção Brasileira Roberto Carlos teceu loas ao governo Lula em entrevista concedida ao ex-presidente do Equador, o esquerdista Rafael Corrêa, à emissora de TV Rússia Today.

 

MANCHETES JORNAIS IMPRESSOS

O GLOBO
Manchete: Cadeia violenta alimenta o crime
Em 4 anos, 6.368 presos morreram no país. Proporção de homicídios é maior dentro do que fora do cárcere
Facções que oferecem ‘proteção’ estendem ações para além dos presídios
Militares trans lutam para manter fardas
Após intervenção, mortes subiram e produtividade da polícia diminuiu

O ESTADO DE S. PAULO
Manchete: Só 2,4% dos jovens querem ser professores no Brasil
Pouco reconhecimento e baixos salários estão entre motivos para desinteresse, que aumentou em 10 anos. De acordo com dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), só 2,4% dos alunos de 15 anos demonstram interesse pela docência no Brasil – há 10 anos, esse número chegava a 7,5%, informa Isabela Palhares. 
Empresários se aproximam de presidenciáveis
Carta de 47 páginas denuncia regalias em presídio da Lava Jato no Paraná

FOLHA DE S. PAULO
Teleconsulta soluciona 62% dos casos e reduz fila do SUS
Doleiro que está foragido negocia para evitar prisão

A tarde (BA)
Senai e Senac oferecem 7,5 mil vagas em cursos profissionalizantes

Extra
Jovem estava comemorando vitória do Brasil quando foi morto a facadas na Tijuca

Correio Braziliense
Lesionados, Douglas Costa e Danilo estão fora da partida contra a Sérvia

Valor Econômico
Grandes empresas petroleiras enfrentam questão de “vida ou morte”

Estado de Minas
MEC quer adiar ampliação do tempo de formação de professor

Jornal do Commercio
População carcerária do Brasil quase dobrou em dez anos

Diário do Nordeste
Avião de pequeno porte cai às margens do Mercado dos Peixes em Fortaleza

Zero Hora
Polícia Federal apreende 448 quilos de cocaína no interior do Rio Grande do Sul

Brasil Econômico
Dólar nas alturas! Entenda o que afeta a cotação da moeda americana no Brasil

DESTAQUES

THE INTERCEPT
Filho de brasileira, professor pede demissãoProfessor de capoeira. Atuou no abrigo Northwest Key, em Tucson, Arizona, EUA, que abriga crianças separadas dos pais pela política de tolerância zero do governo Trump

ESTADÃO
Lula, o mais aprovado pela população, diz pesquisa
 
O ex-presidente Lula (PT) segue o pré-candidato à presidência da República mais aprovado pela população brasileira, com 45%, e também aquele com a menor taxa de desaprovação entre os mais bem colocados nas pesquisas, segundo levantamento do Instituto Ipsos divulgada neste sábado pelo jornal “O Estado de São Paulo”. á o segundo colocado, querido pela ultra-direita, viu em todas as pesquisas eleitorais a reprovação a seu nome subir de 60% para 64%. A aprovação caiu de 23% para 20%. Os demais pré-candidatos também enfrentam altas taxas de rejeição, todas acima da de Lula, que é de 54%.

FOLHA/UOL
Medo do imprevisto faz mercado comparar eleição hoje com a de Lula em 2002
O Brasil poderá viver nos próximos meses uma reprise das eleições de 2002. A polaridade ideológica nos discursos dos principais pré-candidatos à Presidência da República já causa calafrios entre os investidores.
 

REVISTAS SEMANAIS

ISTOÉ
Traz uma capa patrioteira com as cores da bandeira do Brasil e a chamada: Reaja Brasil Destaca ânimo da Copa para impulsionar otimismo em outros setores do país A vitória contra a Costa Rica reanimou a torcida brasileira, frustrada com o empate na estreia da Copa. Além do futebol, o País precisa fazer valer seu talento onde tem excelência reconhecida internacionalmente. É assim que podemos virar o jogo como nação.

Humor nacional permanece em baixa com crise econômica e política, mas pode melhorar

A corrupção por trás das invasões do MST
A PF investiga um grande esquema imobiliário do MST. Como área da União invadida virou prioritária para regularização, o movimento ocupa as propriedades, em troca de dinheiro, facilitando a criação de prósperos negócios nos locais. Não é o único caso escabroso envolvendo os sem-terra.

O laranjal do governador de Tocantins
Em ação de separação, a ex-mulher do governador Mauro Carlesse denunciou que, embora declare R$ 2,9 milhões em bens à Receita, ele usa laranjas para ocultar um patrimônio de R$ 100 milhões, que incluem dezenas de fazendas, avião e carros de luxo, como Jaguar e Ferrari.

VEJA
Surge o primeiro antídoto contra a falta de memória
Técnica, que consiste na implantação de eletrodos no cérebro de pacientes com déficit de memória, consegue recuperar até 15% da capacidade de lembrar.

Deslize da Lava Jato
Depois de uma investigação que não conseguiu uma única prova além das acusações dos delatores, Gleisi Hoffmann, presidente do PT, é absolvida pelo STF. O veredicto serve de alerta à Polícia Federal, cuja investigação não conseguiu colher uma única evidência além das delações, e ao Ministério Público, que acabou apresentando uma denúncia inepta.

Expansão do PCC para outros estados fez o número de homicídios explodir
Diálogos captados pela Polícia Civil revelam a estratégia de expansão do PCC e como as lutas entre facções fizeram homicídios explodir em alguns estados
 

ÉPOCA
Sete anos depois, quem ganhou dinheiro com as tomadas de três pinos?
Mercado movimenta R$ 24 bilhões por ano e segurança das redes elétricas não aumentou. Com uma canetada em 2000, o então presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Armando Mariante Carvalho Junior, obrigou 196 milhões de pessoas a gastar ao menos R$ 1,4 bilhão para a troca potencial de tomadas em mais de 60 milhões de residências em todo o Brasil. Carvalho hoje integra o rol de investigados na Operação Lava Jato, mas não por ter liderado a incômoda revolução da tomada dos três pinos. Como ex-vice-presidente do BNDES, ele é investigado por participação em empréstimos fraudulentos ao pecuarista José Carlos Bumlai, o amigo do ex-presidente Lula que foi condenado a quase dez anos de prisão por corrupção e gestão fraudulenta.

Cabo Daciolo, o pastor presidenciável que promete expulsar o demônio do Planalto
Aos 42 anos, ele integra uma geração de parlamentares que esnoba os meios oficiais de comunicação. Sua tribuna é o Facebook.

CARTA CAPITAL
A turma do 1%
Brasil dá vexame em uma pesquisa sobre mobilidade social no mundo.

Fator PCC
Os ataques da facção paulista em Minas Gerais surpreendem o governador Sérgio Pimentel, que esperava colher frutos da redução da violência no Estado.

Revista recomenda Celso Amorim como candidato de Lula à Presidência da República
 

EXAME
O que os eleitores de 6 presidenciáveis pensam sobre estes temas 
Os eleitores de Jair Bolsonaro e Álvaro Dias (Podemos) são os mais próximos em seus posicionamentos. Quem vota em Lula, Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) tende a compartilhar de opiniões similares. Os apoiadores de Geraldo Alckmin oscilam a depender do assunto e são os que mais aprovam a Reforma da Previdência