Boceta rosa 'usada' por torcedores brasileiros para humilhar mulher russa repercute na mídia mundial

20/06/2018
Reprodução Boceta rosa 'usada' por torcedores brasileiros para humilhar mulher russa repercute na mídia mundial Depois de viralizar na Internet, vídeo com brasileiros assediando mulher na Rússia é alvo da mídia internacional, com críticas

Após ter viralizado nas redes sociais, o vídeo que mostra torcedores brasileiros assediando e humilhando publicamente uma mulher na Rússia, que é sede da Copa do Mundo, ganhou repercussão também na imprensa internacional, além de repúdio por parte de celebridades. "O português não é a língua mais popular, mas a ignorância pode ser uma brincadeira cruel", dessa forma começa uma reportagem publicada no portal de notícias russo "MKRU".  O sociólogo Peter Ivanov, em entrevista ao MKRU, destacou a necessidade de o povo prestar atenção nas diferenças culturais com relação aos latino-americanos.
 

Assim como a "BFM", o jornal peruano "El Comercio" salientou as manifestações de famosas brasileiras, além do fato de que a atitude machista não partiu apenas dos brasileiros, mas também de argentinos e peruanos, que ensinaram às russas como dizer que estavam interessadas em fazer sexo oral ou transar com eles. Colocando a palavra "piada" entre aspas, o jornal disse que este caso envergonhou o Brasil.

O jornal suíço "20 minutes" mencionou dados do Instituto Maria da Penha para destacar que o Brasil é um dos dez países no mundo onde a violência contra a mulher é mais observada. A cada dois secundos, uma mulher é vítima de agressão física ou verbal.

Outros jornais e portais de notícia que repercutiram o caso foram o canadense "La Presse", o russo "360 TV", o argentino "Minutouno", o colombiano "Gol Caracol", o peruano "La República" e o "La Nación" da Costa Rica. Entre estes, o jornal da Argentina publicou os outros vídeos de brasileiros constrangendo mulheres que não falam português e as informações sobre quais homens tinham sido até então identificados.

Na França

O site da rádio France Info relata o escândalo envolvendo torcedores brasileiros que levam uma russa a repetir frases chulas como se fosse um canto de torcida.. Eles incitam a russa a repetir as palavras “boceta rosa!”, sem conhecer a tradução.

A France Info lembra que o Brasil é um dos dez países do mundo onde mais se cometem crimes contra a mulher. A reportagem reproduz declarações de várias personalidades femininas. A manequim Fernanda Lima, por exemplo, disse no Instagram que “não é engraçado, é machismo, misoginia e é uma vergonha”. O texto também traz a declaração da atriz Bruna Marquezine, namorada de Neymar: “que vergonha”.

Cartilha de boas maneiras

A repercussão do incidente foi tão grande, que o ministério das Relações Exteriores do Brasil chegou a relatar à Agência France-Presse que divulgou um “guia consular”, com diretivas para evitar todo tipo de excesso. “Este guia recomenda expressamente evitar toda violência verbal, visual ou física, particularmente atos insultantes ou humilhantes”, precisa o Itamaraty. “Toda acusação de infração à legislação russa fará objeto de uma investigação da parte das autoridades desse país”, acrescenta o ministério.

Outra rádio de grande audiência, a Europe1, diz em seu site que o incidente não é o primeiro do gênero, com torcedores de outros países, citando argentinos e peruanos que foram vistos tentando fazer com que russas dissessem que iam ter relações sexuais com eles

Quem são os assediadores

Diego Valença Jatobá é ex-secretário de Turismo, Esporte e Cultura de Ipojuca, na Região Metropolitana de Pernambuco, e foi condenado pelo Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) por irregularidades na prestação de contas de 2012 do município.

O engenheiro civil Luciano Gil Mendes Coelho, natural de Picos, no Piauí, foi preso em 2015 em ação conjunta da Polícia Federal (PF) com a Controladoria Geral da União (CGU), em operação nomeada "Paradise", que tinha como objetivo desarticular esquema de desvio de dinheiro público na Prefeitura de Araripina.

Outros já identificados foram o tenente Polícia Militar de Santa Catarina Eduardo Nunes, que serve em Lages (SC), e o supervisor de vôos da LATAM, em Guarulhos, Felipe Wilson.

Da Redação, com Informações da RFI, Rádio França Internacional e de agências nacionais de notícia