História da ArtSind

ArtSind foi criada há 27 anos para  fortalecer a CUT

Por um sindicalismo de massa, classista, democrático, autônomo e unitário

A Articulação Sindical foi criada em fevereiro de 1987, durante Encontro Nacional da CUT, em Taboão da Serra (SP), quatro anos depois da fundação da Central Única dos Trabalhadores, em plena ditadura militar. A missão da ArtSind era unir sindicalistas cuja concepção era construir e fortalecer a CUT como uma instância que mobiliza, organiza e está à frente das lutas da classe trabalhadora, e não somente como um movimento.

A Articulação nasceu no bojo do chamado novo sindicalismo de Lula, no ABC Paulista, a partir da união de sindicalistas independentes. Tinha como uma das suas principais características grande diversidade de representação em relação às demais correntes. A democracia interna como princípio não apenas garantiu o respeito a essa diversidade, mas fez da corrente um campo fértil à construção coletiva da estratégia de crescimento e fortalecimento da CUT.

Já no seu (primeiro) Encontro Nacional realizado ainda em 1987, a ArtSind definiu princípios e projeto: a construção de um sindicalismo de massa, classista, democrático, autônomo e unitário. Em 1988, no 3º Congresso Nacional da CUT, a Articulação apresentou a histórica Tese 10: Por uma CUT Classista, de Massa, Democrática, de Luta e pela Base, que se tornou um marco na trajetória da corrente e da Central.

A CUT cresceu com a filiação de sindicatos de todos os setores e regiões do País, além da consolidação das estruturas vertical e horizontal, com a expansão das estaduais, construção dos departamentos nacionais e confederações de ramo. A Articulação Sindical acompanhou essa trajetória e também cresceu: hoje, está organizada em todos os Estados e em diferentes e importantes ramos de trabalhadores (as) do País.

A Articulação Sindical tem uma construção plural, congrega sindicalistas do campo e da cidade, e seus espaços de atuação são a CUT e os sindicatos. Para participar da ArtSind, é necessário estar de acordo com a essência da Concepção e Prática Sindical formuladas pela corrente, isso porque o que garantiu a união dos/das sindicalistas da Articulação foi e continua sendo a unidade de concepção e práticas sindicais e não o combate a outras concepções.

A concepção da ArtSind pode ser resumida em três pontos definidos no 1º Encontro Nacional (1987): ruptura com a estrutura sindical oficial corporativa e de conciliação de classes; sindicalismo classista de luta, democrático, de massas, unitário e que se expressa na combinação entre a reivindicação e a construção do projeto histórico da classe trabalhadora; CUT como expressão de um sindicalismo organizado, a partir do local de trabalho, desde o sindicato de base, até o conjunto de classe, como um instrumento de luta dos(as) trabalhadores(as)

Faz parte do caráter da ArtSind tornar públicas todas as experiências e informações que contribuam para a conscientização política e o resgate da história. A corrente é reservada, mas não clandestina e preserva e respeitar as decisões das instâncias da CUT e dos sindicatos.

Consenso

Nesses  27 anos desde a sua criação, a ArtSind construiu uma trajetória que se entrelaça com a da CUT, sempre pautada pelo sindicalismo classista, cujo objetivo prioritário é a defesa dos(as)  trabalhadores(as) como classe, o que significa entender a sociedade como espaço de disputa de classes que com interesses inconciliáveis. De um lado está o capital, que se organiza e se sustenta por meio da exploração do trabalho. Do outro, o(a) trabalhador(a), que “vende” sua força de trabalho e tem nela a única forma de sobrevivência. Sob essa perspectiva, os interesses de classe devem sempre se sobrepor aos interesses corporativos na construção da estratégia de ação da CUT.

A democracia foi e é o princípio movente da ArtSind, por isso, a criação da corrente foi marcada pela construção de um espaço de reflexão que tem na diversidade e no respeito às diferenças e ao contraditório sua maior virtude. O objetivo de garantir a organização dos(as)  trabalhadores(as) e o fortalecimento da CUT é comum a todos e assegura o equilíbrio na construção coletiva.

Um dos maiores patrimônios construídos pela Articulação neste processo democrático é o consenso progressivo, com votação apenas quando inevitável. Assim, não se admite que o entendimento, a proposta e a vontade de um(a) se imponha sobre a do(a) outro(a), ainda que este(a) seja minoria. A construção democrática por meio do consenso progressivo exige esforço de reflexão e argumentação, tendo como base os princípios e a concepção que orientam a ação sindical da ArtSind.
O consenso deve ser sempre o objetivo da Articulação. Esgotadas todas as possibilidades, não havendo mais tempo para a tomada de decisão e se o consenso ainda não tiver sido alcançado, a ArtSind deve encaminhar a solução dos problemas por meio do voto. E, uma vez decidido, todos sem exceção devem acatar e cumprir as deliberações da maioria.